fatos surpreendentes e desnecessários


meus pensamentos ganharam um pogobol de natal…

Posted in eu escrevo por camilak em novembro 25, 2008

Nem venha me dizer, Nana, que eu tenho pensamentos estranhos. Todos nós temos. O que acontece é que eu fico com eles um tempo a mais. É… Enquanto as outras pessoas simplesmente têm os pensamentos e os deixam passar e seguir sua vidinha de pensamentos, sem parar no sinal nem nada, eu, apegado que sou, me agarro ao pensamento. Pego ele pelas pernas, faço-o refém e fico cutucando pra ver se sai mais alguma coisa dali. Às vezes sai.

Hoje, por exemplo: eu passei na frente de um pet shop. Você sabe que pet shops, todos eles, mesmo os mais fuleiros, têm cheiro de cachorro bem lavado. Deve existir um Bom Ar sabor Cachorro Bem Limpinho que eles só vendem para pet shops, tenho certeza. Aquele não é um cheiro natural. É igualzinho em todos, todos, não importa o número de gatos e cachorros que circularam, as raças e seus tamanhos, quantos banhos deram naquele dia. Só pode ser Bom Ar sabor Pet Shop.

Aí, como um pensamento leva a outro, apresenta seus primos e amiguinhos, acabei me lembrando da Lidiane, que estudava comigo no Santa Apopéia. Quanto tempo, Jesus! O fato é que Lidiane, quando molhava, tinha cheiro de pet shop; cheiro de cachorro muito do bem lavado. É claro que o cheiro não era de todo mau, era cheiro de limpeza, aquele que minha vó volta e meia dizia que era bom. Mas era um cheiro de limpeza de poodle, sabe?

A pobre Lidiane era um Gremlin sexual, tadinha. Seca, uma menina que não fazia feio, boas batatas da perna, coxas e peitos. A bunda não era um primor, mas dava bem pro gasto. Segundo um amigo, que realmente pegou Lidiane no segundo colegial, ela tinha aquelas espinhinhas na bunda, pequenos pontos vermelhos que tiram a atenção. Mas, nada grave, ele achou até engraçadinho. Nunca me esqueci disso.

No entanto, Lidiane molhada era como exposição de cães, concurso de agility, feira de filhotes. Aquele cheiro só encontrado em cachorros de banho recém-tomado e pet shops de bairro (mentira, nos de shopping também).

Com isso, Lidiane não era chamada pra eventos em parques aquáticos, churrascos em casa com piscina (nem que fosse uma regan) e muito menos pra tomar banho em casa. Eu comprovei isso da pior maneira. Uma vez ela tomou chuva e, pra se esquentar, resolveu tomar uma ducha em casa (tá bom, tá bom, eu ofereci). Minha mãe, como resultado, teve de jogar a toalha de banho fora. Nem pra pano de limpeza servia mais. “Já imaginou a casa inteira com cheiro de pinscher ensaboado?”. Pra falar bem a verdade, por apego absoluto à toalha de mais de vinte anos, laranja e marrom com flores que hoje devem estar na moda, dona Zuleide ainda tentou dá-la para o Totó. Mas o bicho arreganhou uns dentes dessa idade, estranhando o cheiro de cachorro invasor. Não teve jeito, foi pro lixo.

Enfim, não sei por que estou contando tudo isso a você hoje, Nana. Acho que aqueles pensamentos que eu deixei passear me levaram muito longe. Eu tinha uma teoria, mas ela foi parar numa gaveta da sala do diretor do Santa Apopéia e ficou lá, de relíquia.

Talvez eu tenha contado tudo isso só pra mostrar que nem sempre os caminhos dos pensamentos fazem sentido. Às vezes eles vão de pogobol de um lugar pro outro. Vai saber. Mas agora pelo menos entendo por que cheiro de pet shop me faz lembrar espinhas na bunda…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: